Tempo de leitura: 1 minuto

Denunciada pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), Alexandra Dougokenski foi condenada a 30 anos e 8 meses de prisão pelo Tribunal do Júri de Planalto. O julgamento terminou na noite desta quarta-feira, 18 de janeiro de 2023, depois de três dias de trabalho em plenário dos promotores de Justiça Michele Dumke Kufner, Diogo Gomes Taborda e Marcelo Tubino Vieira. Ela foi condenada por todos os crimes pelos quais foi acusada: homicídio doloso quadruplamente qualificado (motivo torpe, motivo fútil, asfixia, dissimulação e recurso que dificultou a defesa da vítima) cometido contra o filho Rafael Winques, ocultação de cadáver do filho, falsidade ideológica e fraude processual.

Os promotores de Justiça foram literalmente abraçados pela comunidade de Planalto em frente ao fórum. Michele destacou que, após 2 anos e 8 meses de processo, a sociedade teve a resposta que esperava e precisava. “Estamos felizes com o trabalho que foi feito e a sensação é de dever cumprido e missão entregue”.

Taborda complementou falando que o corpo de jurados entrou para a história: “Não somente desta cidade, mas deste Estado e deste país ao dar uma condenação exemplar para que crimes dessa natureza nunca mais ocorram”.

Tubino finalizou dizendo que a condenação de Alexandra deve trazer novamente um pouco de tranquilidade a Planalto. “Demonstramos que as forças de segurança estão sempre aptas a resolver casos difíceis como este. A cereja do bolo foi nos sentirmos, como promotores de Justiça representando a sociedade ao sermos abraçados dessa maneira”, concluiu.

O subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Institucionais do MPRS, Júlio César de Melo, acompanhado do chefe de Gabinete da Procuradoria-Geral de Justiça, Luciano Brasil, e do secretário-executivo do Júri+, Fernando Sgarbossa, esteve em Planalto nesta quarta-feira. “Estivemos presentes no plenário de julgamento a fim de expressar nossa solidariedade à comunidade de Planalto pelo brutal crime praticado contra uma criança, por sua própria mãe, de quem se espera carinho, zelo e proteção. O propósito também foi de reiterar o irrestrito apoio institucional aos promotores que atuam no caso, o qual foi prestado durante toda a tramitação do processo. A dedicada e competente atuação dos colegas foram determinantes para a concretização da justiça”, pontuou Júlio Melo, citando a mobilização e empenho do Núcleo de Inteligência (Nimp), Centro de Apoio Operacional Criminal e de Segurança Pública (Caocrim), Assessoria de Segurança Institucional, Júri+ e do Gabinete de Comunicação do MPRS.

Clique aqui e acompanhe a atuação do MPRS neste caso.

Compartilhe também no:

Reviews For Syncro Omegle Ip Location Add-ons For Firefox En-us

Artigo anterior

Emerald Chat Reviews Examine Emeraldchatcom Rating

Próximo artigo

Você também pode gostar

QUER COMENTAR SOBRE ESTÁ NOTÍCIA?

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Mais Geral