Tempo de leitura: 1 minuto

O governo do Rio Grande do Sul divulgou nesta quinta-feira (23) um alerta sobre o aumento de casos da doença mão-pé-boca no estado. De acordo com a nota emitida pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), já foram notificados 20 surtos da doença em 2023. Os surtos são caracterizados quando há mais de três casos em um mesmo local. Somados, os surtos deste ano representam 210 casos em 15 municípios.

No ano passado, foram 68 surtos em 35 cidades, que somaram 581 casos. O ano de 2021 teve 172 surtos em 76 municípios, que totalizaram mais de 3,3 mil casos.

A transmissão da doença é fecal-oral, ou seja, ocorre mediante contato com pessoas, fezes, saliva, secreções, objetos ou alimentos contaminados. Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas. Dessa forma, a higiene das mãos deve se manter intensificada mesmo após melhora dos sintomas. Também por isso, profissionais de creches precisam reforçar a atenção nas rotinas de troca de fraldas. As principais medidas de controle são o afastamento dos sintomáticos até resolução dos sintomas e a intensificação das medidas de higiene de mãos e do ambiente e superfícies, com especial enfoque em objetos compartilhados, como brinquedos, nos casos das creches.

Os sintomas mais comuns são:

  • febre;
  • aparecimento de manchinhas vermelhas na boca e região da garganta;
  • dificuldade para engolir;
  • bolhas nas mãos e pés;
  • perda do apetite;
  • vômito;
  • diarreia.

Informações:  Agora no Valle

Compartilhe também no:
Page Up Solutions

Agricultura já conduziu 770 ações de vigilância ativa para influenza aviária

Artigo anterior

Gás de cozinha deve aumentar entre R$ 7 e R$ 10 em abril com unificação de ICMS

Próximo artigo

Você também pode gostar

QUER COMENTAR SOBRE ESTÁ NOTÍCIA?

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.