Tempo de leitura: 1 minuto

Mais de 510 mil litros de água potável distribuídos às famílias interioranas e perdas nas culturas da soja (35%) e milho grão e silagem (50 a 55%) que somam aproximadamente R$ 59 milhões em prejuízos aos agricultores das 35 comunidades de Guaporé. Estes são alguns fatores que obrigaram a Administração Municipal a publicar na quinta-feira, dia 24 de março, o decreto de situação de emergência em virtude da estiagem que atinge o Rio Grande do Sul desde dezembro de 2022. A declaração avaliza os laudos de verificação “in loco” das propriedades rurais pela Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (COMPDEC), Emater/ASCAR-RS, Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) e Secretaria de Agricultura.

Ao longo dos últimos quatro meses, conforme a COMPDEC, o índice de precipitação pluviométrica atingiu 400 milímetros no município. O baixo volume de chuvas, somada às contínuas altas temperaturas, provocaram a falta de água em mais de 20 propriedades e o comprometimento da produtividade dos cerca de 1,5 mil hectares (ha) de milho silagem, 2,5 mil ha de milho grãos e dos 4 mil ha soja. Na bovinocultura do leite as perdas são estimadas em 15%, o que corresponde a mais de 2,4 mil litros. Nas safras das culturas da uva e laranja não há registros de prejuízos aos produtores.

Para o secretário da Agricultura, Edelvan Balbinotti, o homem do campo está sofrendo com a estiagem há quatro anos consecutivos e, mesmo com todo o preparo do solo e o cuidado na escolha das sementes e manutenção necessária na lavoura, é inevitável que não registre perdas com a situação climática vivida.

“Analisando os laudos e a situação, todos os órgãos voltados à agricultura guaporense optaram pela decretação de situação de emergência. É mais um momento difícil que o setor primário enfrenta e nós, dentro do que determina a Lei, estamos fazendo a nossa parte para, pelo menos, minimizar as perdas nas lavouras e financeiras futuras”, disse.

Conforme Rafael Pissetti, coordenador da COMPDEC, foram efetuadas vistorias técnicas e levantamentos fotográficos das propriedades rurais com registros de perdas nas lavouras para que o Município pudesse declarar a situação de emergência.

“Todos os dados foram colocados em planilhas e avaliados pelos integrantes dos órgãos ligados ao setor antes do envio à autoridade municipal. Levamos em conta as normativas que o Governo Estadual nos encaminhou e houve, dentro das novas regras e modelos de pareceres técnicos, uma facilitação para a decretação. Nós, diferente do que aconteceu em outras localidades, não nos precipitamos para a publicação”, disse o coordenador que destaca ainda:

“Muitos podem estar se perguntando: por que Guaporé demorou para decretar situação de emergência? Não nos precipitamos porque estávamos analisando detalhadamente os laudos e certificando que havia perdas significativas nas lavouras e prejuízos financeiros nas propriedades. De nada adianta decretarmos se, lá na frente, os Governos Estadual e Federal não homologam. Ficaríamos com um documento em mãos somente com validade municipal”, concluiu.

Para Pissetti, o maior problema e um dos pontos de análise que mais pesam para a homologação é a questão humana.

“Não que os prejuízos nas culturas sejam menos importantes, longe disso. Porém, a falta de água para o consumo humano destaca-se com um dos fatores de maior relevância dentro de um decreto e nós, infelizmente, mais uma vez tivemos que socorrer muitas famílias distribuindo água potável”, disse.

Mesmo com as chuvas registradas ao longo dos últimos dias, a entrega de água potável na zona rural prossegue com o caminhão pipa da COMPDEC.

 

FONTE: Rádio Aurora

Compartilhe também no:
Page Up Solutions

ARVOREZINHA | Lideranças prestigiam Inauguração do novo centro Administrativo da Cerfox

Artigo anterior

4 Enfoques John Gray se convirtió en el favorito de citas Especialista

Próximo artigo

Você também pode gostar

QUER COMENTAR SOBRE ESTÁ NOTÍCIA?

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.