Tempo de leitura: 2 minutos

O Rio Grande do Sul ocupa a quinta posição entre os estados brasileiros com mais empreendimentos de economia criativa, setor composto por segmentos vinculados à cultura, à criatividade, ao conhecimento e à inovação. O RS reúne 30.987 estabelecimentos, o que equivale a 6,8% do total de estabelecimentos no Estado e a 7,6% dos estabelecimentos do setor no país. Completam o ranking São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná. Seguindo a tendência brasileira, o segmento de economia criativa com mais empreendimentos no RS é o de Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC), representando 21,8% do total.

Os dados, referentes ao ano de 2021, estão presente no estudo exploratório O mercado de trabalho da economia criativa no Rio Grande do Sul, divulgado nesta quarta-feira (9/7) e produzido pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG). Foram considerados como parte da economia criativa setores e ocupações definidos pelo Sistema de Informações e Indicadores Culturais 2007-2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), incluindo atividades ligadas direta e indiretamente à cultura.

Elaborado pelos pesquisadores Gabriele dos Anjos e André Coutinho Augustin, o material utiliza dados do mercado de trabalho formal disponibilizados pelo Cadastro Central de Empresas (Cempre), do IBGE, e da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O documento visa contribuir com o programa estratégico RS Criativo, operado pela Secretaria da Cultura (Sedac), que busca promover o desenvolvimento e o fortalecimento da economia criativa.

O material aponta que, entre 2017 e 2021, houve uma variação positiva no número de empreendimentos em todas as Unidades da Federação (UFs) consideradas, com aumento de 12,1% no RS. O segmento de publicidade registrou o maior crescimento (70,3%), enquanto o de publicação, editoração e mídia teve a maior queda (11,3%). Ainda que esteja em destaque no ranking das UFs com mais empreendimentos em economia criativa, o Estado caiu uma posição em relação a 2017, ano de comparação no estudo.

A publicação destaca que, em 2021, o RS foi o estado com a segunda maior participação no segmento de patrimônio e culturas tradicionais (14,4%) do Brasil. As menores contribuições ficaram nos segmentos de telecomunicações e audiovisual, com percentuais de 5,6% e 6,2%, respectivamente.

“O governo do Estado acredita no potencial da cultura e da economia criativa, o que está demonstrado, por exemplo, no fato de que o investimento do Executivo estadual no setor cultural cresceu 109,5% entre 2012 e 2022, conforme também demonstra pesquisa do IBGE. O estudo estatístico desenvolvido pela SPGG serve como embasamento para que possamos elaborar e fortalecer ações que impulsionem esse crescimento de forma inclusiva e sustentável”, afirmou a secretária da Cultura, Beatriz Araujo.

Geração de empregos 

O setor de economia criativa empregou formalmente 143.847 pessoas no RS em 2021, o que equivale a 4,2% do total e a um aumento de 10,5% em relação ao que foi verificado em 2017. Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC), que detém o maior número de empreendimentos dentro da economia criativa, é também o segmento que mais emprega. Em 2021, representou no Brasil quase um terço dos postos de trabalho no setor (29,5%) e, no Rio Grande do Sul, ultrapassou esse percentual, com 34,2%.

Além do setor de TIC, os segmentos de publicação, editoração e mídia (14,9%) e de arquitetura, design e moda (14,6%) foram os mais expressivos na composição dos postos de trabalho da economia criativa. Por outro lado, artes visuais e performáticas (1,8%), patrimônio e culturas tradicionais (3,0%) e ensino de cultura (3,2%) são os segmentos com menor participação no setor.

Embora os segmentos de publicidade, telecomunicações e TIC tenham apresentado crescimentos expressivos no período de 2017 a 2021, o estudo mostra que parte dos outros segmentos tiveram piora no contingente de postos de trabalho, com destaque para audiovisual (-24,3%), patrimônio e culturas tradicionais (-17,0%) e artes visuais e performáticas (-16,9%).  Os três setores fazem parte do chamado núcleo duro da economia criativa, ou seja, atividades amplamente reconhecidas pela sociedade como pertencentes ao âmbito da cultura.

Em 2021, o setor da economia criativa no RS possuía uma média de 7,5 empregados por estabelecimento, abaixo do total da economia gaúcha, que detinha média de 10,3. Segmentos com estreita ligação à cultura, como artes visuais e performáticas, apresentavam o menor número médio de empregados no setor (2,7 por estabelecimento), enquanto segmentos como TIC e audiovisual possuíam média superior a 13.

“Os segmentos mais identificados com a cultura encolheram no Estado, entre 2017 e 2021, enquanto houve crescimento no campo de tecnologias da informação e comunicação, tanto em número de empreendimentos quanto em postos de trabalho”, analisa Augustin. “Os indicadores sugerem a necessidade de políticas específicas para os diferentes segmentos, principalmente aqueles com pior desempenho no período considerado”, acrescenta.

Remuneração e gênero

A publicação analisa também a remuneração no setor de economia criativa entre os anos de 2011 e 2021. No início da série histórica, a remuneração média real da economia criativa no RS era de R$ 1.506,88 e, em 2021, de R$ 2.448,81, um crescimento de 62,5%. No entanto, outros setores da economia cresceram mais no mesmo período: 81,4%. “Em 2021, a remuneração média do setor era mais baixa em relação à remuneração média do setor no Brasil. No entanto, há variações importantes no salário médio entre os segmentos da economia criativa”, salienta Gabriele dos Anjos.

A análise segundo sexo e remuneração média demonstra que, em 2021, a participação feminina no setor de economia criativa no RS era de 44,3% entre os empregados formais, inferior aos 46,8% no total de setores econômicos.

O segmento com maior contingente feminino é o de ensino de cultura, com 72,7%. Arquitetura, design e moda, publicação e editoração e mídia e publicidade também apresentaram porcentagem maior de participação feminina, com mais de 50% dos empregados. Em contrapartida, os setores que menos empregavam mulheres eram o de audiovisual, com 35,1%, e o de TIC, com 36%, este o que possui o maior número geral de empregados no setor.

A diferença salarial entre homens e mulheres esteve desigual principalmente em TIC e telecomunicações, nos quais o salário médio feminino equivalia a 70% do salário médio masculino. Ainda que represente o menor contingente geral de empregados e tenha as menores remunerações, o segmento de artes visuais e performáticas demonstrou simetria entre as remunerações, quando observadas por gênero.

Texto: Karine Paixão/Ascom SPGG
Edição: Secom

Compartilhe também no:

IBIRUBÁ | Jonas Dal Molin de Campos assume gerência Agro do Sicredi

Artigo anterior

Rodadas de conexão entre prefeituras e soluções tecnológicas ocorrem na quarta (10) e na sexta (12)

Próximo artigo

Você também pode gostar

QUER COMENTAR SOBRE ESTÁ NOTÍCIA?

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.